Empreendimento integrará a BR-101 e outras quatro rodovias federais e prevê investimentos de R$ 12,8 bilhões

O Tribunal de Contas da União aprovou, com ressalvas, a minuta do edital da concessão da Rodovia de Integração Sul (RIS), que abarcará uma rota de 473 quilômetros e que integra as rodovias federais BR-101, BR-290, BR-386 e BR-448. Nessa concessão, que terá prazo de 30 anos, a futura concessionária vai explorar, recuperar, operar e monitorar a infraestrutura, além de ser responsável por ampliar a capacidade e manter o nível de serviço do sistema rodoviário. 

Em seu voto, o relator do processo na corte, ministro Bruno Dantas, condicionou a publicação do edital definitivo da rodovia a uma série de mudanças que terão de ser feitas previamente pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e já foram acordadas com o governo.

Os valores a serem aplicados totalizam R$ 12,8 bilhões, dos quais R$ 7,5 bilhões são para investimentos em ampliação de capacidade e melhorias e R$ 5,3 bilhões para custos operacionais, com perspectiva de geração de 15 mil empregos diretos e indiretos. A tarifa básica de pedágio para veículos está projetada em R$ 7,48 por praça, sendo sete pontos de pedágio no trajeto. Vence a licitação a proposta que apresenta um menor custo em relação a esse teto.

O deputado federal Luis Carlos Heinze (PP/RS), que acompanha o processo de concessão desde o começo do projeto, comemorou a notícia. “Esse é o caminho para o Rio Grande voltar a crescer. Investimentos em infraestrutura e logística e, com o estado sem recursos, o caminho são parcerias com a iniciativa privada. Torcemos para que a licitação ocorra o quanto antes e vamos seguir acompanhando esse processo”, diz.

Os quatro trechos conectam pontos de grande relevância econômica do estado são:

• 166 km de pista simples na BR-386;
• 59 km de multivias na BR-386, nas proximidades de Montenegro e Polo Petroquímico do Sul;
• 238 km de pista dupla na BR-448, BR-290, BR-101 (exceto trecho de 2,5km) e 35km - BR 386).
• 10 km na BR-386 atualmente em obras de duplicação pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT).