Crise de Confiança - A cada dia, a Frente Parlamentar da Agricultura (FPA) confia menos no Ministério da Justiça para tratar de irregularidades na demarcação de terras indígenas. Um grupo de deputados gaúchos se encontrou com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ontem, para entregar várias denúncias e pedir a suspensão dos processos de demarcação no Rio Grande do Sul. Saíram de mãos vazias. “Eles enrolam, falam que vão investigar. O encontro não teve definição”, lamentou o deputado Luis Carlos Heinze (PP), vice-presidente da FPA. Segundo o parlamentar, há três anos ele e outros tentam dialogar sobre o tema na pasta, mas não conseguem. Outro deputado que estava presente, Alceu Moreira (PMDB), afirmou que “a inação do ministério é falcatrua. Continuar as demarcações é colocar as digitais do governo nesta falcatrua. Foram oito encontros aqui no ministério, e até agora nada foi feito”. Cardozo pediu dez dias para se reunir com a presidência da Funai para tratar do tema.
 
Impor derrota - De acordo com Heinze, a demora para resolver o problema foi o principal motivo da convocação da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT), para depor na Comissão da Agricultura sobre a demarcação de terras indígenas. O requerimento, assinado por Heinze, Valdir Colatto (PMDB-SC), Domingos Sávio (PSDB-MG) e Duarte Nogueira (PSDB-SP), foi aprovado por 25 votos a 14 e preocupou o governo. A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, entrou em campo para contornar a situação, e a bancada do PT tentou evitar a convocação. Mesmo assim, petistas criticam a manobra. “O governo estava disposto a recebê-los, e eles preferiram impor uma derrota ao governo. A questão aí é resolver ou impor uma derrota?”, questionou o deputado Elvino Bohn Gass (PT).
 
CPI da Funai - Além de chamar a ministra-chefe da Casa Civil, os ruralistas querem também instalar uma CPI da Funai. Já foi criado o requerimento e 180 deputados assinaram. Só que ele está na 11ª posição na fila das CPIs. De acordo com o deputado Jerônimo Goergen (PP), que esteve em Roraima para conhecer a Terra Indígena Raposa Serra do Sol, a situação é ruim tanto para os agricultores quanto para os índios. “Transformaram uma área produtiva em uma que não produz nada. Como resultado, os índios passam fome e moram em favelas”, disse. Ele ainda vai ter uma reunião com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, para tratar do tema.