Às vésperas da votação do Código Florestal, dez ex-ministros do Meio Ambiente divulgaram ontem carta aberta à presidente Dilma Rousseff e ao Congresso Nacional, alertando sobre "riscos de eventuais mudanças abruptas, sem a necessária avaliação prévia e o conveniente debate". No texto, eles defendem a atualização da legislação de 1965, mas afirmam não ver na atual proposta coerência com o processo histórico, marcado por avanços em busca do desenvolvimento sustentável. "Ao contrário, se aprovada qualquer uma dessas versões, agiremos na contramão de nossa história e em detrimento de nosso capital natural", pontua o documento, assinado por Marina Silva, Carlos Minc, entre outros.

A votação do projeto na Câmara está prevista para hoje às 10h. Nos bastidores, contrariando o governo, deputados da base e da oposição articulam a aprovação de emenda que prevê a manutenção de atividades consolidadas em APPs. Com o apoio de nove legendas, o destaque leva em conta utilidade pública, interesse social e baixo impacto ambiental, além de atividades agrossilvopastoris, ecoturismo e turismo rural, diz o deputado Luis Carlos Heinze. A ordem do governo é fazer com que deputados da base desistam da emenda, para que os critérios venham via decreto.