Votação do Código Florestal pode ficar para junho Depois de muita discussão, a votação do relatório do novo Código Florestal, que estava prevista para ser feita na quarta-feira, foi transferida mais uma vez. Há expectativa que só será votada em junho.

O deputado federal gaúcho Elvino Bohn Gass (PT) disse que a bancada de situação optou por não votar o Código Florestal pois, quando o deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP) subiu à bancada para apresentar o relatório, o texto levado ao plenário não era o mesmo recebido pela bancada para análise.

O deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS) discordou do colega, afirmando que o texto saiu direto da Casa Civil para a Câmara. Alegando falta de quórum regimental, o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Marco Maia (PT-RS), adiou a votação.

Entenda o caso – As normas para APPs e reservas legais foram os principais pontos de divergência. O relatório apresentado na quarta-feira libera áreas consolidadas em encostas e topos de morros. Já o cultivo nas margens de rios será regulamentado por decreto presidencial e deverá atender a três critérios: ter utilidade pública, interesse social e baixo impacto ambiental (detalhes do projeto no quadro ao lado).